Ilha do Príncipe: Bom Bom Island Resort

O Bom Bom Island Resort fica a cerca de 25 minutos de mota/Jeep da cidade
A Alexandra, uma portuguesa de Aveiro que trabalha na recepção, fez-nos
um tour do Resort, incluindo vista aos  bungalows.
Tivemos as quatros praias do Resort só por nossa conta.
A piscina, mesmo quando chega a época alta, está quase sempre vazia.




Não me podia ir embora da Ilha do Príncipe sem ir ao Bom Bom Island Resort. Já tinha lido algures na net que seria possível visitar o resort e passar lá um dia inteiro, inclusivé almoçar, desde que telefonasse previamente. Foi o que fizemos. Pedimos aos nossos moto boys para nos irem buscar ao sítio do costume, à Juditinha (merece um post só para ela, mais à frente), e às 9h15 já estávamos literalmente a babar com as várias praias do resort, com os canteiros pejadinhos de flores e o chilrear da passarada. Depois o tempo foi quase todo passado de rabo para o ar a fazer snorkeling, maravilhadas com a quantidade de peixes exóticos que podíamos ver com água pela cintura.
Quando voltei para Portugal, muitas pessoas estranharam o facto de estar tão pouco bronzeada. Está desfeito o mistério. Passei o tempo quase todo debaixo de água. E a verdade é que o sol por estas bandas não é nada forte, pelo menoso em Dezembro. Segundo a T., que vive em São Tomé, para ficar com um cor razoável seria preciso estar esparramada ao sol vários dias seguidos entre as 10h00 e o 12h00.


O interior do bar do resort.
Foi assim que fomos recebidas, com a oferta de uma água de coco
e um sorriso do tamanho  do mundo. Cinco estrelas.
Dá para perceber porque é que passámos horas a fio dentro de água?

Uma das coisas que mais nos surpreendeu, neste resort foi constatar que as paisagens deste ilhéu lembram estupidamente Brasil. Mas se calhar não é assim tão estúpido, tendo em conta que o continente africano e a América Latina já estiveram colados há alguns milhões de  anos atrás. É que se me dissessem que estava em Angra dos Reis, eu acreditava. Como já estive na chamada Costa Verde (fui do Rio de Janeiro até Paraty e recomendo esta viagem), posso confirmar que as semelhanças são surpreendentes. O mar tem os mesmos tons esverdeados e a vegetação é muito semelhante. Ou seja, Ilha do Príncipe e Costa Verde: separadas à nascença.

Foi nesta lagoa natural que passámos mais tempo de rabiosque para o ar.
Adorámos este ideia: canteiros feitos com pirogas!
Bela vida! Almocinho à beira-mar por cerca de 10 euros,
um preço bastante decente para um resort de luxo.




A planta "rabo de macaco"


Mark Shuttleworth. É este o nome do milionário sul-africano que vai investir em unidades de turismo ecológico na ilha do Príncipe, sem esquecer a preservação da cultura da ilha e as necessidades agrícolas da população. Consta até que vai patrocinar a construção de um novo aeroporto. Talvez se recordem do nome dele, já que foi o primeiro africano a viajar para o espaço, motivo pelo qual algumas pessoas se referem a ele como "o homem da lua". Actualmente, já detém cerca de metade da ilha do Príncipe e tem estado a retirar famílias inteiras de Roças (onde vivem todas aos molhos, sem qualquer privacidade) e a colocá-las em casas dotadas de boas condições. Passei por algumas. Uma das roças que vai merecer especial atenção por parte deste milionário é a Roça Sundy. Tudo indica que centenas de pessoas irão ganhar emprego nestas unidades hoteleiras e agrícolas. No passado mês de Maio (2011), o Governo do Príncipe assinou um acordo de investimento com o milionário sul-africano. Se os projectos de concretizarem,  o nome da empresa de Mark Shutleworth não poderia fazer mais sentido: HBD - Boa Vida.

8 comentários:

  1. Estou ver que existe uma nova forma de escravatura na ilha de Príncipe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro João, percebo o seu comentário. Por enquanto, sei que as pessoas estão felizes com as casas novas e com a perspectiva da ilha ter mais turismo, até porque isso vai melhorar as condições de vida muita gente e tornar os voos para São Tomé mais baratos, já que as viagens de barco foram suspensas. O futuro dirá se este senhor vai deixar boas marcas. Fico a a torcer para que assim seja.

      Eliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Que post bonito!:) Vi também as dicas de viajante para São Tomé e Príncipe.
    Esta uma das minhas viagens de sonho desde há muitos anos, mas ainda continua na lista.
    Já estou a seguir-te, para ir acompanhando as tuas aventuras. ;)

    Beijinhos,
    Olivia

    omundopelaboca.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Olívia! Pode pedir-me todas as dicas, se um dia for a São Tomé e ao Príncipe. Já espreitei o seu blog e agora sei que temos duas coisas em comum, as viagens e a boa comida. Vou seguir o seu blog também!

      Eliminar
  4. Estou de partida para STP, dentro de uma semana. Desta feita, Ilhéu das Rolas, mas já agendei na mente uma próxima / futura visita ao Príncipe.
    É a concretização de um sonho antigo, e penso que gostaria de viver mesmo lá uns tempos, exercendo um qualquer voluntariado, por exemplo no ramo da educação, que foi desde sempre a minha área profissional.
    Já estou impaciente e não vejo chegada a hora de aportar naquelas paragens. Fotos muito bonitas e bem representativas da extraordinária beleza natural das ilhas.

    ResponderEliminar
  5. Anamar, se existe paraíso na terra, este bem poderia ser a Ilha do Princípe.Essa magia existe porque felizmente não existem mais Ilhéus Bom-Bom e etc. Bem tentam fazê-los, como o tentaram na Praia Macaco, mas é muito difícil. Estive à porta do resort Bom-Bom mas como me pediram 25 EUR só para ver, desisti!Tive a sorte de encontrar uns pescadores disponíveis (na Praia Abade) para dar uma volta à ilha de canoa e conhecê-la melhor, pois de mota ou jipe existem muitas limitações.Foi uma das melhores viagens que fiz! Estes milionários que investem nestes sitios estão apenas a explorar uma riqueza que é do povo, e que em troca lhes dão uns "bom-bons". A maior lição que tive na Ilha do Principe foi a de que ter dinheiro não vale quase nada, porque pouco existe para comprar. Quero lá voltar, mas para ficar mais do que os 6 dias que fiquei em 2010. Boa viagem para si, e se puder trocar uns dias no Ilhéu das Rolas por uns dias na Ilha do Princípe, acho que não se vai arrepender!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Jorge, não sabia que agora estavam a cobrar entradas para visitar o Bom Bom. Mas se os visitantes lá quiserem almoçar. duvido que cobrem. Essa dica da canoa é preciosa, tenho de fazer isso um dia!

      Eliminar