O adeus à Ilha do Príncipe


Praia Burra, coladinha à praia Caju e já bem perto da praia Banana
Ao fundo, um monte conhecido por "boné do jokey".



Uma espécie de papagaio típica da ilha do Príncipe. Este estava domesticado.
Sacerdote a treinar um discurso aos altos berros, na praia Évora, a  praia onde
os habitantes da ilha celebram o fim de ano.
Podia sim....podia ter ido ver tartarugas desovar, era a época delas.
Mas quem se levanta às 6 da manhã, às 23h00...está KO... E as tartarugas
podem aparecer ou não, entre as 23h00 e as 3h00 da manhã...
O restaurante da Mingas, mesmo ao pé do aeroporto, onde nos prepararam
um almoço a rigor, com direito a sopa, prato, sobremesa e café.
Um gesto comovente de uma das pessoas mais incríveis que conheci na ilha.
E a passarola que nos levou de volta. ao contrário dos presságios de toda (!)
a gente, apareceu a horas. Uff...

No dia de regressar a São Tomé, véspera de regressar a Portugal, levantámo-nos bem cedo, como de costume. Tomámos o pequeno-almoço na Juditinha, fomos à Praia Banana e depois almoçamos bem perto do aeroporto, no restaurante da Mingas (Domingas), uma mulher com uns cinquenta anos mas que parecia ter uns trinta e poucos. Conversámos algumas vezes com ela. Era uma simpatia, sempre muito prestável, e tinha uma história de vida muito triste, ao ponto de me deixar com o coração apertadinho e a lágrima no canto do olho. Não nos conseguimos despedir dela, mas fomos, por sugestão dela, almoçar a um dos seus estabelecimentos (tem dois) e serviram-nos com uns cuidados comoventes. E eu que andava a evitar saladas, comi a salada toda que me puseram no prato. Que se lixe, se ficasse doente, já estava a um dia de voltar para casa. Pagámos o almoço aos guias mais ao irmão gémeo de um deles, que se colou a nós assim que pôde, e a conta foram 16 euros, para 5 pessoas. O Isaías, o Sandino e o irmão ficaram connosco até o avião partir, às duas da tarde. E uma vez mais, repetiram "Se tiverem amigos que venham ao Príncípe passar férias, falem-lhes de nós. Podemos levá-los a passear". E é o que estou a fazer neste blog, na esperança de que alguém aproveite a dica. Passadas 3 semanas de regressar desta viagem, na noite de Natal, estavam a enviar-nos, a mim e à C.,  sms's de boas festas e de bom ano. Foram, seguramente, as mensagens que mais nos tocaram na noite de 25 de Dezembro.

2 comentários:

  1. olá. adorei o seu report sobre o S.Tomé e Príncipe. Se não é indiscrição quanto pagaram aos guias? obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Filipa, o valor depende do numero de horas que eles passam consigo, mas em média andava pelos 60 euros. Mas atenção que isto passou-se há 2 anos e o valor pode variar consoante o passeio seja de moto ou de jeep. Se for num jeep, quanto mais pessoas forem, mais económico poderá ficar. Boa viagem!

      Eliminar