E que tal é a comida na Tailândia?

Prato vegetariano; legumes salteados com arroz.
Arroz frito com caju, frango e ananás
Pad Thai: Noodles de arroz com ovo, camarão, vegetais,
açúcar, tamarindo, molho de peixe e vinagre.

Leite de coco, limas, erva-príncipe, chalota, alho, caril, frutos secos, açúcar, gengibre.... A cozinha tailandesa é um verdadeiro "melting pot" onde se combinam inúmeros sabores e aromas num só prato e é isto mesmo que lhe dá fama internacional Na base da culinária está o equilíbrio entre doce, salgado, picante, ácido e amargo. E quase todos os pratos levam um pouco de molho de peixe, ainda que o peixe em si seja quase uma raridade na maior partes dos restaurantes.

Lagostins com salada.
Sopa de legumes com omelete esfarelada. Faz uma refeição
simples e boa, embora o aspeto deixe muito a desejar...






Enquanto andamos na rua, os nossos sentidos estão permanentemente a decifrar odores. Há sempre gente a vender frutas, snacks e a cozinhar comida rápida em qualquer esquina de qualquer cidade, principalmente em Banguecoque. A cidade é um grande mercado/restaurante/cozinha ao ar livre. E não há cá nada de licenças obrigatórias para vender nem controlos sanitários nem fiscalizações da ASAE. Vale tudo, com o que isto tem de bom e de mau. Durante duas semanas, tentei experimentar o máximo de coisas que pude, nos locais mais convidativos que fui encontrando (convidativos = limpos e de preferência recomendados pelo tripavdisor). Vi muita coisa que gostaria de ter provado mas não me atrevi dadas as condições de higiene circundantes. Experimentem passar nas traseiras de alguns restaurantes para ver a louça onde servem a comida a ser lavada em alguidares com água putrefata que parece vinda do rio, o lixo amontoado em redor dos caixotes e alguns seres roedores curiosos a chafurdar entre caixotes e vão entender o que escrevo... Ainda assim, porque a Tailândia tem imenso turismo, há muito por onde escolher, desde a chafarica de rua onde só com uma G3 apontada à nuca é que obrigavam a entrar, ao restaurante de luxo com vista panorâmica. Optei quase sempre por restaurantes com valores médios ou ligeiramente acima da média e deu para provar muitas coisas. Ainda que tenha gostado bastante de algumas, confesso que ao fim de 8 ou 9 dias já sentia a falta da nossa comidinha portuguesa (quanto mais viajo mais gosto da nossa culinária!), principalmente do nosso peixe fresco. É que apesar de haver tanto mar para pescar neste país com uma costa tão extensa e milhentas ilhas, os pratos de peixe são poucos, os que há são bem mais caros do que os pratos de carne e são quase sempre cobertos de molhengas que anulam o seu sabor.  
Caril Vermelho: Frango com legumes e molho de caril vermelho.
É uma delícia se for bem feito e a carne for bem tenra.

Sopa de vaca e vegetais servida em panela tradicional
Tom Kha Kai: Sopa de galinha com leite de coco, erva-príncipe,
malaguetas, sumo de lima, chalotas e coentros. Maravilhosa!


Carne de vaca salteada com legumes (lembra o chop suey chinês e vem
acompanhado de arroz branco)


E agora vamos aos doces.

As panquecas são quase de borla, mas resisti à tentação.
Esta é a sobremesa mais fácil de encontrar. Se for bem feita, é
magnífica. Se não for, torna-se enjoativa. Como quase todos os
doces tailandeses, sabe a leite de coco, onde o arroz é cozido.
Chama-se "Mango with sticky rice". Amei! 
Sopa de meloa, em leite de coco.
Não foi nada boa ideia pedir este ananás frito. Deu para
perceber que foi frito no mesmo óleo onde fritam bolinhas
de peixe... Reclamei mas não me ligaram nenhuma...
A melhor sobremesa de todas? Fruta tropical.
Balanço final: a comida tailandesa é boa, tem preços acessíveis e é saudável, de uma forma geral  - muitos legumes e poucos fritos. Os vegetarianos têm muito por onde escolher e para variar também se encontram facilmente restaurantes italianos e indianos. Para quem gosta de sopa, como eu, é o paraíso. Há imensas possibilidades à escolha servidas em doses generosas que fazem só por si uma refeição, mas recusei-me a imitar os locais e a comer sopa ao pequeno-almoço... Há limites... Quanto a preços, é claro que em Banguecoque são bastante inferiores aos de Krabi (nos locais turísticos a comida chega a custar mais 50%). Em euros, o preço médio de uma refeição na capital ronda os 4 euros e em Krabi ronda os 8 euros. Se lhe juntarmos uma cerveja, fica a refeição ao preço ou mais cara do que em Portugal. A cerveja chega a ser mais cara do que a refeição. Por tudo isto e muito mais, continuo a achar que em Portugal temos a melhor comida do Mundo a preços incrivelmente decentes. E o meu estômago bate palminhas sempre que regresso de viagem!                                   

Sem comentários:

Enviar um comentário