Fugu - 15 factos curiosos sobre a iguaria mais cara e letal do Japão


Não, não provei Fugu, um peixe balão muito apreciado pelos japoneses, famoso pela quantidade de veneno que contém. Nem teria coragem para o comer porque gosto muito de viver. Provar em quantidades miinimas, isso talvez. A unica vez que me cruzei com alguns espécimes vivos deste peixe foi no mercado de Tsukiji, em Ginza, e apanhei há poucos dias um documentário interessantíssimo no Canal Odisseia sobre este peixe onde fiquei a saber coisas muito, muito curiosas.

1- No Japão existe legislação específica para regular o consumo deste peixe. Apenas restaurantes autorizados com chefes diplomados podem preparar e servir esta iguaria. Afinal de contas, o veneno de um só peixe pode matar várias pessoas. Mas consta que o sabor e a textura justificam o risco....

2- O veneno do fugu está concentrado nas vísceras, sangue e pele. Existem algumas espécies cuja pele é comestível. O fígado, em particular, apresenta uma concentração elevadíssima de veneno. Não admira pois que durante a sua preparação os chefes coloquem de imediato as partes não comestíveis numa lata que é imediatamente fechada com um cadeado.

3- Para preparar este peixe são necessários três tipos de facas. Uma faca pesada e uma faca média para retirar a pele e as espinhas e uma faca mais afiada para cortar filetes (sashimi).

4- Uma dose de fugu nunca custa menos de 100 euros por pessoa. Ou seja, é um luxo comer este peixe de sabor delicado, distinto e isento de gordura. É um peixe muito versátil que pode ser consumido de muitas formas: sopa com tofu (fuguyiri), lombinhos estufados, sashimi, cozido a vapor, peito grelhado, filetes com molho doce e pele de fugu em geleia com molho de soja.

5 - Os samurais estavam proibidos de comer fugu assim como o Imperador. Esta última proibição prevalece até aos dias de hoje.

6- Existem mais de 38 variedades de fugu ao longo da costa do Japão e destas só 22 é que podem ser consumidas. O veneno encontra-se em partes diferentes do peixe, consoante a espécie. Ou seja, um chefe especializado tem mesmo de conhecer todos os tipos de peixe ao pormenor. E ainda assim, todos os anos morrem cerca de 70 pessoas envenenadas no Japão.

7- Os primeiros registos de mortes após a ingestão deste peixe datam de 1900. Desde então, estima-se que já morreram cerca de 1900 pessoas.

8- Em 1958,  houve 289 chefes aprendizes que foram envenenados acidentalmente. Destes, morreram 176. Estas mortes serviram de pressão para o governo criar leis específicas para as partes do peixe que podem ser consumidas. O fígado continua a ser proibido, apesar de existirem restaurantes que o servem clandestinamente, oriundo de espécies de aquacultura uma vez que se descobriu que os peixes criados em tanques não são venenosos, pois o veneno tem origem na alimentação feita no mar.

9- Para se ter um diploma de chefe de fugu, é preciso passar em três exames: Saber limpar o peixe na perfeição, saber preparar sashimi em 20 minutos apenas e saber identificar todas as variedades de fugu.

10 -O veneno do fugu  - a tetrodotoxina - não tem sabor nem odor e é mil vezes (!) mais potente que o cianeto. Basta um micrograma de veneno por quilo de peso corporal de um humano para ir desta para melhor... O fígado e os ovários são as partes mais venenosas. Bastam 20 gramas para matar um humano.

11- Em caso de ingestão de uma grande quantidade de veneno, os primeiros sintomas surgem ao fim de meia hora: dor de cabeça, boca e gengivas dormentes, falta de sensibilidade nas mãos e paralisia muscular. O coração continua a bater quase até ao momento da morte por asfixia. O corpo pode estar paralisado, mas a consciência mantém-se alerta. É uma morte lenta de agonia. Se forem ingeridas quantidades menores de veneno, os sintomas podem surgir ao final de várias horas. Ainda não se descobriu o antídoto para este veneno.

12- A 16 de Janeiro de 1975, os japoneses ficaram chocados com a morte de Mitsugoro Bando, um famoso actor de Kabuki. Nessa noite, ele foi jantar com amigos e com uma gueisha num restaurante de Quioto. Foram servidas pequenas porções de fígado a todos os convidados. Ninguém se atreveu a comer, excepto Bando. Comeu a sua dose e, já que ninguém mais quis comer, refastelou-se com as doses dos outros. Sete  horas mais tarde, a meio da noite, e após horas de agonia, não resiste ao veneno do fugu.

13- Quando confrontados com o risco de morte, alguns apreciadores de fugu apontam as baixas estatísticas de vítimas comparadas com as mortes no Reino Unido com a BSE, a doença das vacas loucas: que provocou seis vezes mais mortos.

14 - Mie, a 380 quilómetros do Japão, é a zona por excelência da pesca de fugu. A estação da pesca dura cinco meses, de Outubro a Fevereiro. Mas também existe criação em aquacultura na zona de Kyushi. Neste caso, o facto dos peixes terem mais espaço e uma alimentação pré-definida dá origem a peixes sem veneno. Na região, as pessoas comem o fígado de fugu sem correrem o risco de envenenamento.

15 -A cidade de Shimonoseki, na prefeitura de Yamaguchi, fica na ponta sul da ilha de Honshu e é conhecida como a "Fugu City" pois é nela que é comercializada toda captura de fugu feita em águas japonesas. Por ano, são pescadas cerca de três toneladas de fugu.


O sashimi de fugu é apresentado em forma de crisântemo.

O Restaurante Miuraya, em Asakusa, especializado em fugu há mais de 40  anos.
Os diplomas dos chefes estão afixados na parede à vista dos clientes.
Até hoje, todos sobreviveram .

E agora pergunto a quem leu este texto, atrevia-se a comer uma dose de fugu?