Como o melhor dia na Flórida quase foi um dos piores....

De Orlando a Cape Canaveral demorámos cerca de 50 minutos de condução.

Os bilhetes vendem-se em máquinas e pagam-se com cartão de crédito.
Os adultos pagam 50 dólares pelo bilhete mais barato e as crianças pagam 40.
O estacionamento também se paga. Aqui e em quase todo
o lado. E aviso já, não se coloquem a jeito para apanhar
multas porque são bem mais altas do que em Portugal...

Quando me perguntam do que é gostei mais na minha viagem à Flórida, não preciso de pensar nem um segundo para responder: a visita ao Kennedy Space Center, no Cape Canaveral. Estava um dia de treta, chuvoso e fresco, o que até foi positivo pois assim não tivemos pena de perder um potencial dia de banhos até porque, mesmo ali ao lado, fica uma das melhores praias da Florida, a Cocoa Beach. Mas sabem que mais? Esqueçam a praia, mesmo que esteja um dia lindo de morrer. O Kennedy Space Centre tem tanto que ver e é tudo tão interessante que não merece de forma alguma ser trocado por uns banhos de mar. Estar aqui, no mesmo lugar onde tantos astronautas se prepararam e ainda se preparam para expedições ao espaço, e saber como são seleccionados, que formação recebem, o que descobrem, como são as rotinas dentro de uma nova espacial.... tudo tão emocionante que quando a visita acabou, mesmo estando apenas no quarto dia das férias, disse à família "Se fossemos hoje embora, já ia muito satisfeita só por já ter visitado este lugar".  Mas quase que ficávamos à porta.....






Fizemos pontaria para chegar ao Centro pouco depois de este abrir ao público (abre às 9h e encerra às 18h). Não havia filas para comprar bilhetes nas máquinas automáticas, só na fila com funcionário, por isso fui direitinho a uma das máquinas e usei o cartão de crédito para pagar. Recebi o talão mas bilhetes é mentira.... Ainda fiquei ali quase um minuto a ver o que se passava e olhar para todos os orifícios que pudessem vomitar os bilhetes mas nada, não os via. Ainda me queixei em voz alta para o resto da família perceber que a máquina não nos dava os bilhetes e, contrariada, lá fui para a fila comprida onde estava um funcionário (e não havia mais nenhuma fila, só um funcionário para ajudar todos os visitantes... toma lá que é para não pensares que só em Portugal é que há falta de funcionários em lugares que recebem muitos visitantes, afinal somos mais parecidos com os países mais civilizados!). Tive de esperar e desesperar quase meia hora para chegar a minha vez porque apanhei à minha frente um senhor a comprar bilhetes para um grupo de 40 pessoas.... 

Quando finalmente chegou a minha vez, lá mostrei o comprovativo de pagamento e expliquei que a máquina não me deu os bilhetes. Resposta: tinha de esperar uns minutos para os bilhetes serem impressos... E eu esperei um bocado, lá disse, mas desconhecia que levasse tanto tempo.... Quando lá voltei com outro funcionário, alguém tinha levantado os meus bilhetes. Saiu a sorte grande a alguém que, à minha conta, poupou 200 dólares.... Mas fiquei em pânico com medo que não me deixassem entrar sem bilhetes.... E a meia hora que esperei para na fila para ser atendida, também não ajudou nada pois só queria fazer uma pergunta. Mas na América, não se atrevam a passar à frente de ninguém nem que seja só para fazer uma pergunta porque os funcionários mandam-nos logo recambiados para a fila, para aguardar a nossa vez.... Não é como na tugalândia. Felizmente (triplo Uffff!) deram-me outros bilhetes ou acho mesmo que ia dar uma coisa má se tivesse de arrotar outros 200 dólares... E pronto, foi assim que patrocinei um dia muito feliz, a custo zero, a outros visitantes. 






O Kennedy Space Center está dividido em "mission zones": Mercury, Gemini, Apollo e Shuttle. Ao longo da visita, passamos pelo Hall of Fame, onde se destacam os nomes mais relevantes no âmbito da exploração espacial. Passamos por outra zona onde se explica como foi organizada a Missão Apollo, passamos por simuladores de treino, simuladores de lançamento espacial, vemos como era o dia dos astronautas: o que comiam, como dormiam, como faziam xixi e cocó, enfim, tudo isto com recurso a multimedia: videos interactivos, jogos, Cinema 3D. E no meio disto tudo, o tempo voa ao ponto de eu ficar em estado em choque quando ouvi os avisos de que o Centro estava quase a fechar e ainda me faltava ver imensa coisa.... Vi uma parte da exposição em modo "turbo" e nem sequer consegui fazer o tour de autocarro que mostra o exterior de vários edifícios emblemáticos. Quando cheguei à paragem , a meio da tarde, o último autocarro já tinha partido. Eu pensava que aquilo era tipo Disneyland, e que havia autocarros regulares mas pimbas, não havia.... Quase me esbofeteava a mim mesma... Quando entrarem, olhem para os horários dos autocarros e das sessões de cinema, sim?

No Cinema Imax assisti a um filme sobre a exploração espacial. Os temas
variam com regularidade e o tempo voa enquanto vemos documentários com
imagens lindíssimas que nos fazem sentir uma migalha insignificante no universo.
Existem vários foguetões em exibição no exterior num local
chamado  "Rocket Garden".
E a emoção que foi dar com esta nave, a Atlantis Space Shuttle.
Como é fazer as necessidades em ambiente com gravidade zero
Uma explicação de como dormem os astronautas
Uma das caravanas usadas para transportar astronautas do centro
espacial ao local de lançamentos, em dias de missão.

Uma das exposições que mais me marcou foi toda uma ala dedicada aqueles que perderam a vida na explosão do Challenger, em janeiro de 1986. Apesar de eu ser ainda uma criança, recordo perfeitamente o destaque que os noticiários deram ao lançamento e de haver uma professora de uma escola que fazia parte da tripulação, após ter ganho esta oportunidade através de um concurso. Está tudo explicado nesta exposição, o que correu mal, quem eram as vítimas e até estão exibição partes da nave recuperadas mais tarde em alto mar. O video do acidente está online e é confrangedor ver a família a assistir a tudo sem sem aperceber de imediato que a explosão a que assistiam tinha sido fatal para o astronautas.



O corredor onde se presta homenagem aos astronautas
do Challenger que perderam a vida a 28.01.1986
Simuladores de treino, cápsulas espaciais, carros para conduzir na lua...
Podemos mexer em tudo. 

A loja de solventes do Kennedy Space Center é enoooorme e tem coisas girissimas!

Mesmo que não queiram fazer compras, não deixem o Centro sem visitar a mega loja. Dá para estar mos aqui um bom tempo entretidos a ver livros, DVD's, roupa de astronauta, comida de astronauta e toda a parafernália de souvenirs, ou não estivessenos nós nos EUA, uma meca do consumo! Pena que seja tudo assim para o carote. Mas não me contive, e tive de trazer um capacete de astronauta que me pode vir a far jeito numa qualquer festa de Carnaval. Perdi algum tempo na loja e depois não consegui acabar de ver a exposição que era maior do que eu pensava.... E só por isso, ia visitar este lugar outra vez já amanhã! Se conseguir, talvez arranje coragem para juntar 200 dólares e fazer o tour privado... com um astronauta!

Orlando: o melhor e o pior dos Parques da Universal!



A entrada nos parques Universal é feita pelo City Walk, um
corredor de lojas e restaurantes, tal como acontece na Disney.
Se forem como eu, depois de atravessar este pórtico, vão perder  completamente
a noção do tempo e sentir-se como se tivessem outra vez 8 anos de idade...
The Incredible Hulk onde atingimos 108 kms hora. Gostei, principalmente do arranque!

2 minutos de subidas e quedas abruptas. O que mais custa é a espera antes do arranque.
Um conselho: não experimentem depois de almoço. 
Rip Ride Rocket, uma montanha russa cuja viagem é acompanhada pela música
que nós pré-seleccionamos num monitor antes de arrancar. Adorei!
É impossível não reparar nesta atracção: The Simpsons Ride. Um simulador que nos leva
numa visita a Springfield, divertido mas com pouca adrenalina... Bom para famílias com miúdos.


Não preciso de parar para pensar do que mais gostei nos parques da Universal. Não foi uma atracção mas sim toda uma zona de diversão dedicada ao universo do Harry Potter que está para lá de espectacular! A recriação da Diagonal Alley, da estação de comboios para Hogwarts, as lojinhas, o merchandising, está tudo tão bem pensado que parece que entramos dentro de um dos filmes. E é precisamente nesta zona que os dois parques - Island of Adventures e Universal Studios - estão ligado entre si. Foi aqui que passámos uma boa parte do nosso tempo. Tudo servia de pretexto para aqui voltar. "Vamos ver melhor as lojas de doces e feitiçaria", "Vamos ver como fica durante a noite", "Embora repetir o "Escape from Gringotts".... Enfim, foi mesmo um local que nos encheu as medidas a todos e aquele que deixou memórias mais bem marcadas. Logo a seguir ao universo Harry Potter, a mina tracção preferida foi a montanha russa do Homem Aranha, os Minions, o Krusty, o shreck e o ET. Ou seja, gostei mais dos estúdios do que do parque de atracções Island of Adventures.

O melhor do parque? Toda a secção dedicada ao Harry Potter! Está incrível e vale a pena passar
aqui várias vezes para reparar em todos os detalhes e ver as lojinhas de doces, roupas e feitiçaria.

O castelo de Hogwarts tem um tamanho imponente!
O dragão que vemos na imagem cospe fogo de 30 em 30 minutos.
Dá vontade de ver todas as lojas. Acho que não me escapou nenhuma...

Há uma série de locais interactivos no Wizzarding World of Harry Potter. Quem comprar uma
das varinhas mágicas interactivas, pode seguir uma rota e fazendo os movimentos certos
com a varinha provoca uma reacção nas fontes, estátuas e montras de lojas. Muito divertido!
As varinhas mágicas andavam entre os 25 e os 50 dólares...
O Wizzarding World of Harry Potter tem as lojas mais divertidas dos parques Universal. Dos gelados, às gomas e cerveja de abóbora, aos trajes de feiticeiro, a oferta é tanta e tão variada, os nomes dos produtos são tão divertidos e o design das embalagens é tão giro que apetece comprar tudo!




Uma das cafetarias temáticas na zona do Harry Potter.
As bebidas têm sempre nomes divertidos.
Uma das montras interactivas que reagem aos movimentos de uma varinha mágica.
Hogshead Sweet Shop: uma loja de perder a cabeça! Há tantas coisas divertidas, desde gomas,
a chocolates, nougats,  caramelos.... Uma festa de cores, sabores e aromas adocicados. 
A estação onde apanhamos o Hogwarts Express,
o comboio que faz a ligação dentro dos parques.
Um dos funcionários do Hogwarts Express.

E agora uma notinha para o pior de tudo, porque isto de escrever só a contar as partes boas não faz lá muito sentido. Eu sigo imensos blogs e quanto mais sinceros, mais eu gosto de ler. Aliás, acima de tudo quero saber o que pode correr mal para ir preparada. Neste caso, é inevitável falar da comida... As refeições são manhosas e estupidamente caras dentro dos parques ao ponto, tal como na Disneyland Paris, de compensar ir lá fora comer. Um exemplo? Nós os 4 almoçámos 4 kebabs + água + 1 peça de ruta + 1 iogurte + 3 pacotes de batatas fritas e pagámos 60 dólares... ouch! Mas enfim, nos EUA não é fácil comer bem. Salvam-se os restaurantes chineses e mexicanos. Mas neste parque não encontrei nenhum.... Por isso, vale a pensa levar umas barrinhas de cereais e iogurtes na mala e tentar não pensar muito em comida e esquecer a dieta... 


Blogger's Open World Awards da momondo

PARA VOTAREM  NESTE BLOG, BASTA CLICAR AQUI
Já tenho o meu blog há alguns anos mas foi a primeira vez que me candidatei a um passatempo com o mesmo, julgando até que a probabilidade de ser escolhida seria mínima. Os meus posts são muito pessoais, não é o tipo de blog que diz tudo e tudo e tudo sobre um destino. Diz aquilo que eu fiz, do que mais gostei e do que gostei menos. Confesso que de início tinha uma certa preocupação em cobrir o máximo de informação sobre os destinos visitados mas, à medida que o tempo foi passando, comecei a sentir um certo desconforto com esta obrigação de anotar tudo e fotografar tudo porque, acima de tudo, estou eu e o prazer que quero tirar das viagens, aproveitando os momentos. 

Já perdi a a oportunidade de ir a locais bonitos nos Açores porque fiquei quase três horas a conversar com um local que tinha histórias incríveis para contar. sobre a sua vida na América versus a sua vida em S. Miguel E não me arrependo nada. Vi menos uns quantos postais ilustrados mas soube-me pela vida ouvir relatos apaixonados cheios de detalhes curiosos vindos de desconhecidos encantadores com quem me cruzei. Quer isto dizer que, por mais que eu adore viajar, e gosto tanto (!), recuso-me à submissão de ter de ver tudo, fotografar tudo, saber tudo para depois colocar no blog. E desde que o comecei a fazer sou muito mais feliz em cada viagem que faço. 

Uma das coisas que considero mais importantes no meu blog é dar dicas que não constam nos guias, ir a locais fora dos roteiros (sempre que possível) e contar o que correu mal ou menos bem para que outros não caiam nos mesmos erros. A minha ida à Tailândia é disso um bom exemplo, pois há "n" esquemas para tentar enganar os turistas e é fácil embarcar em excursões da treta onde a pessoa que vai sentada o nosso lado pagou o dobro pelo mesmo passeio.... E li imensos blogs antes de ir, mas nenhum resumia os cuidados a ter para não andar em "carneiradas" que gostaria de ter evitado... O Japão é outro bom exemplo. Já ajudei muita gente a preparar viagens para este destino (até agora, o meu preferido), pois não tem os preços proibitivos que muita gente pensa que tem. É até um dos países com a alimentação mais barata, e boa, que conheci. Enfim, acima de tudo quero  inspirar outras pessoas a explorarem lugares que nem sequer têm de ser os mais bonitos do planeta. Já me diverti mais em locais engraçados do que em cenários paradisíacos. Porque uma viagem memorável é muito, muito  mais do que a paisagem. É um mix de algum planeamento, com uma boa dose de imprevistos felizes, clima agradável, histórias curiosas para contar, boas companhias, enfim... tudo isto conta. E é tão bom quando alguém me escreve a dizer que foi visitar um certo local porque leu o meu blog e ficou com vontade de lá ir. É maravilhoso ver que isso acontece cada vez com mais regularidade e que há tanta gente como eu, apaixonada pelo verbo "ir". E para que este blog possa "ir" mais longe, fica já aqui um agradecimento a todos aqueles que possam contribuir com um voto. Cliquem no link da legenda. Obrigada e boas viagens!


5 dicas preciosas para quem vai a Orlando

O Hard Rock Café em Orlando. Enoooooorme.
Loja de doces com forma de cupcake numa das ruas centrais de Orlando.
Loja de souvenirs inspirada na nave Apolo 13.

Posto de informação para turistas em forma de farol
Um bar /loja de souvenirs que parece um OVNI


1- GERIR O TEMPO COM RIGOR
Ora bem, Orlando é uma cidade grande a abarrotar de atracções. Confesso que não sabia que tinha tantas! Enquanto conduzimos pela cidade, estamos sempre de boca aberta. Eu diria que a própria cidade é um enorme parque de atracções! Já sabia que existiam quatro parques Disney em Orlando (Magic Kingdom, Animal Kingdom, Epcot Center e Hollywood Studios). Só para ver estes parques da Disney são precisos uns 6 dias.... Mas há mais, muito mais atracções! Os dois Parques de diversões da Universal também são muito conhecidos:  Universal Studios e Island of Adventures. Mais dois dias, pelo menos. Estes são os principais, mas depois ainda há uma Legoland, os parques do Sea World (Sea World, Busch Gardens, Discovery Cove e Aquática), vários outlets, muitas salas de espectáculos e uma infinidade de outras atracções e passeios de menor dimensão. E claro, não posso deixar de referir o Centro Espacial Kennedy, em Cape Canaveral (a uma hora de carro de Orlando). Dizem que para ver o principal que Orlando tem para dar, leva em média duas semanas....  Estão a perceber a importância de definir bem o que ver e em quanto tempo? Há que levantar cedinho para aproveitar bem cada minuto nos parques e depois ser dos últimos a sair, para ainda ver os shows nocturnos. Uma estafa.... mas daquele cansaço bom! E claro, ja que só precisamos de um lugar para dormir, porque vamos andar sempre a passear, basta um local limpo e central sem grandes mordomias, para a estadia. Eu passei cinco noites no Enclave Hotel&Suites de Orlando, num T2 com cozinha. Nada de extraordinário, mas muito bem localizado, a uma curta distância a pé da International Drive, onde ficam todas as lojas e  restaurantes. Deste hotel até aos Parques da Universal a viagem de Uber custa 10 dólares.

Por todo o lado, há cartazes a anunciar peças de teatro, espectáculos do Cirque
du Soleil, passeios de barco pelos pântanos, parques aquáticos... A oferta é imensa!
Congo River. Um local onde podemos  jogar minigolf, rodeados de crocodilos.


2- GERIR O ORÇAMENTO
Os preços dos ingressos para os principais parques não têm qualquer semelhança com os preços europeus. São muuuuuito mais caros... Ah pois é. Como já levei a família várias vezes à Disneyland Paris, deixámos os parques Disney de fora pois muita coisa seria repetida. Optámos por ir ver os parques da Universal Studios e o Kennedy Space Center. Como éramos quatro, nunca iríamos gastar menos de 400 dólares por dia só em ingressos.... Se juntarmos alimentação e uns souvenirs, os valores disparam... E ainda falta o alojamento. No meu caso, tive a estadia em Orlando e 3 dias de entrada nos Parques da Universal para os quatro oferecidas pela Universal, ou teria gasto muito mais... Talvez compense ir com um pacote de viagem, é fazer as contas. Mas nunca fica barato, mesmo comprando bilhetes combinados para vários parques... Não admira, pois, que esta seja a viagem de sonho de tanta gente, miúdos e graúdos. Quando era pequena, nunca pensei que um dia iria visitar Orlando. Já foi tarde, mas fui. Check!

Os parques estão abertos das 9h às 21h
Dica maravilha: levem um impermeável ou então preparem-se para deixar os pertences
nos cacifos gratuitos dos parques porque nalgumas atracções saímos de lá a pingar água...
E levem o que conseguirem levar de comida: eu levei fruta e barrinhas de cereais.


3- ALTERNAR COM OUTROS PROGRAMAS
Passar vários dias seguidos em parques de atracções pode causar uma overdose de adrenalina e cansaço... O ideal será intervalar dias de ida aos parques com uma ida à praia (há praias maravilhosas perto do Cape Canaveral), uma visita ao Kennedy Space Center, um passeio de barco nos pântanos da região ou nas nascentes de água termal, ou uma ida às compras num dos muitos Outlets da cidade e uns banhos na piscina do Hotel. Nós tínhamos 5 noites de oferta e fomos embora ao fim de 4 pois já não queríamos ir a mais nenhum parque e assim ganhámos mais um dia para explorar a Florida.


Visitei 3 outlets mas não fiquei impressionada... Quase todos os descontos só
são válidos após uma primeira compra sem desconto. Mas as malas de viagem
de marca têm bons preços e garantia internacional.
Olha ali a bandeira do Brasil. Orlando tem muitos brasileiros a trabalhar no
no comércio local e alguns são proprietários de lojas. Falei muito em português.


4- APROVEITAR OS DESCONTOS!
Assim que fazemos check in num hotel, encontramos junto aos folhetos turísticos várias cadernetas só de cupões de descontos. Há descontos interessantes em lojas, restaurantes e algumas atracções. Também dá para ir a este site perto da da data da viagem, fazer o registo e depois imprimir os vouchers que nos parecerem mais interessantes: - https://www.premiumoutlets.com

As cadernetas de descontos. Quase todos os hotéis as oferecem
junto ao expositor de folhetos de atracções e passeios turísticos.


5- CUIDADO COM O SOL, OS JACARÉS E OS MOSQUITOS
Orlando está rodeada de pântanos. Aliás, quase todos os estados do sul dos EUA têm zonas pantanosas. Mas a Flórida deve ter o record. E pântanos são sinónimos de "aligators", cuja tradução correcta é jacarés e não crocodilos Num outro post hei de explicar esta diferença. Os jacarés são em tal abundância na Flórida que há mesmo vários restaurantes especializados em carne de jacaré... Deixo uma dica importante: Não se aproximem muito de lagos, ok? Poucos dias antes de chegar a Orlando, uma criança tinha servido de refeição a um destes monstros jurássicos.... E tudo isto aconteceu dentro de um Resort da Disney, por estranho que possa parecer. Mas a verdade é que onde há agua, podem sempre haver jacarés! E a criança estava a brincar ao pé de um lago, perto dos pais, mas bastou uns segundos de distracção dos pais e o apetite voraz de um jacaré que por ali andava... Não admira que nas estradas da flórida haja tantos gradeamentos junto às bermas e junto a qualquer tipo de lago. Naturalmente, também há muitos mosquitos, pois as águas paradas e as temperaturas elevadas criam o habitat perfeito para estes vampirinhos.... Depois vou contar num outro post como quase irmos tudo as férias estragadas por causa dos mosquitos, mesmo tomando verdadeiros "banhos" de repelente... Há algo bem pior que mosquitos e jacarés na Flórida, e é quase impossível defendermo-nos deles.... Já agora, importa referir que os protectores solares e repelentes custam menos de metade do preço de Portugal. Meio litro de protector solar ou um frasco médio de repelente rondam os 5 dólares no Walmart de Orlando (sem dúvida, a melhor descoberta das férias!). Não levem de casa, se vivem em Portugal, comprem lá numa das mega farmácias Walgreen ou CVS. Há até protectores com factor 80. 90, e até 100 e versões miniatura em batons de andar na carteira. Uma grande ideia e tão simples! No Verão, passei a and sempre com um protector solar mini na mala. 


Este era ainda um jacaré bebé
Sol, calor e mosquitos não é das combinações mais felizes..

Para quem tiver planos de ir mas parques de diversões não esquecer de levar um impermeável, proteger bem a máquina fotográfica e o telefone, caso andem nos bolsos. Nalgumas atracções, saímos de lá a pingar água, o que sabe bem porque está quase sempre calor, mas pode dar cabo das ferias se nos estragar equipamentos. Também há cacifos grátis em todas as atracões, já para evitar surpresas desagradáveis.