Uma semana no Hotel Dom Pedro Laguna

O Hotel Dom Pedro Laguna fica a pouco mais
de uma hora de carro de Fortaleza.

O hotel dispõe de uma área privada e vigiada na praia pelo
que podemos ir a banho e deixar os nossos pertences
na toalha com toda a segurança.
Há espaço de sobra no imenso areal.
O hotel está repleto de canais e podemos até fazer de passeios de barroco recinto.

Depois de ter passado uns dias magníficos em Jericoacoara, passei uma semana de papo para o ar no Hotel Dom Pedro Laguna, em Aquiraz. E soube tãããão bem! É que normalmente, quando vou para algum lado, não páro um segundo e chego a casa a precisar de férias das férias! Neste caso, foi o oposto porque esta unidade hoteleira é perfeita para banhos e descanso. É, assumidamente, um espaço exclusivo de tranquilidade. Ao contrário de muitos resorts, não apanhei aulas de ginástica na piscina (ainda bem!), nem música em altos berros (obrigada!), nem programas de entretenimento histérico, nem sequer excursões organizadas. O único passeio possível feito via hotel é uma ligação regular de autocarro entre o hotel e o shopping Iguatemi em Fortaleza (custa 10 reais). Também podemos contratar um dos buggys da praia para nos levar a Águas Belas ou a um Parque Aquático que existe ali perto, mas como estamos num hotel de 5 estrelas, o valor que os buggys nos pedem é quase escandaloso e, como tal, não o fizemos... Ainda fomos ao shopping num dia em que chovia, mas só para ocupar o tempo porque não tínhamos mais nada para fazer. Mas lá está, se o clima estiver bom, nem há vontade sequer de sair do hotel! A rota Bar/Praia/Espreguiçadeira/Piscina /Bar/ Cadeira chega bem para nos garantir um grande dia! E se a tudo isto juntarmos uma caipirinha de frutas preparada com esmero e dedicação por um dos simpáticos funcionários do bar e um bom livro, o dia é perfeito.   O staff do hotel é muito atencioso, principalmente no restaurante, e o nosso quarto era enorme com uma das camas mais confortáveis onde já dormi e uma varanda com uma vista inspiradora para um mar de cores impossíveis!

As embarcações tipicas do Ceará.
A zona de restaurantes em Praínha, com várias esplanadas dentro de água.
Fica a 30 minutos a pé do hotel e ao fim de semana está sempre animado!

Cerveja gelada e macaxeira frita.
Uma aberta de sol que permite ver a cor linda do mar!
Peixe grelhado com arroz e salada. Fresquíssimo!
Estivemos mas de uma hora a falar com este vendedor que
nos contou toda a sua vida amorosa com as suas duas esposas....


10 factos curiosos sobre Jericoacoara



- Vivem cerca de 3 mil pessoas em Jericoacoara, com várias nacionalidades, sobretudo italianos e argentinos. Com tantos italianos na vila, não faltam bons restaurantes de pizzas e pasta e gelatarias óptimas com sabores tropicais únicos que nunca tinha experimentado.


- As ruas em Jeri são todas de areia e terra batida pois a vila está inserida num parque natural e é proibido usar alcatrão. Há poucos anos atrás, não havia sequer iluminação pública.Agora ja há.


- Não existe multibanco na vila, logo convém levar algum dinheiro para usar durante a estadia. No entanto, quase todas as lojas e restaurantes aceitam cartão de crédito. E numa emergência, há uma mercearia que troca dólares e euros por reais, mas cobra uma taxa de 10%. Para a encontrar, é perguntar em qualquer loja pois todos sabem da existência deste negócio.

- Muitos dos funcionários das lojas e das pousadas vivem em Jijoca ou noutras terras aqui perto que ficam... a duas ou mais horas de caminhada... que se fazem de noite, às escuras, atravessando riachos com água pela cintura... 
Ao fundo, o melhor hotel da vila, o Essenza Hotel que tem vários quartos com
piscina privativa e heliporto. As imagens do site do hotel são de babar!

- A época alta em Jeri são os meses de Julho, Agosto e Setembro - a época alta do Verão europeu -Dezembro - Reveillón - e Janeiro e Fevereiro. Uma das semanas mais concorridas em Jeri é a chamada "ressaca do Carnaval", a semana logo a seguir às festas do Carnaval. Nestes meses, é tudo mais caro: alojamento, refeições e passeios.

- Quer comprar uma casa em Jeri? Então é bom que tenha um milhão de reais pois as casas e lojas são caríssimas! Alguns pescadores tiveram a sorte de ter casas e casinhotos que depois transformaram em lojas e pousadas e conseguiram assim melhorar bastante o seu nível de vida. 

- Há agências de viagens que organizam passeios de vários dias entre Jeri e os Lençóis do Maranhão. Este trecho da Costa do Ceará é conhecido como "Rota das Emoções". 

- A vila é segura, a criminalidade é muito baixa, mas convém não abusar da sorte. Umas semanas antes da minha viagem, uma italiana foi sozinha passear até à Pedra Furada e depois apareceu morta junto à praia...

- Existem muitas lojas na vila, quase todas de roupa, bikinis e artesanato. Como estamos num sítio isolado, os preços tendem a ser elevados. A única excepção é a loja das Havaianas que pratica os mesmos preços das restantes lojas do país. Também há um mercado nocturno de bijutaria feita pelos hippies que passam temporadas na vila. 



- Para os noctívagos, a vila oferece as seguintes opções: bares com música ao vivo (recomendo o Tortuga e o Samba Rock), festas de forró (o restaurante D. Amélia tem forró todas as quartas e sábados à noite e se um desconhecido vos puxar para dançar, não estranhem), barraquinhas de caipirinhas junto à praia e, por vezes, há luaus na praia (só em noites de lua cheia). Por volta das 2 da manhã, os bares encerram. Quem tiver fome, pode ainda ir à Padaria Santo António, famosa por encher o estômago a quem vem da "balada".  

Passeio à Pedra Furada e Lagoa do Paraíso (Ceará)


O caminho para a Pedra Furada.
Gostei mais de ver estas rochas lilases (nunca tinha visto
rochas desta cor)  do que ver a famosa Pedra Furada.

Cá está ela, a famosa Pedra Furada que, para um português,
 não é nada do outro mundo. A razão do sucesso deve-se
ao facto de nesta costa as rochas serem uma coisa rara.
O maravilhoso sentido de oportunidade brasileiro: onde
há turistas há sempre alguém a vender bebidas geladas.




No segundo dia em Jericoacoara, fizemos o outro passeio dos dois que todas as agências de turismo propõem aos visitantes: Pedra Furada, Lagoa Azul, Árvore da Preguiça e Lagoa do Paraíso. O sol andou meio escondido durante a tarde mas como estava calor, isso não perturbou minimamente os nosso banhos. Este passeio não é tão interessante como aquele que fizemos no dia anterior, mas a Lagoa do Paraíso e o almoço que tivemos no restaurante do Clube da Lagoa salvaram o dia. A Lagoa Azul estava seca, a Pedra Furada é bonita mas não deslumbrou, mas a Lagoa do Paraíso é ma-ra-vi-lho-sa, mesmo estando com pouca água e com o céu meio nublado. Soube lindamente estar aqui a "jiboiar" numa rede semi-submersa, depois do encher a barriguinha com peixe fresco no restaurante. O passeio custou 100 reais por pessoa sem refeição incluída.


É esta a famosa árvore da preguiça, tombada pelo vento. Já tinha visto
cenários idênticos, mas com Figueiras e vinhas, em Lanzarote (Canárias).
As raízes do pinheiro fazem uma rede natural, passei aqui algum tempo sentada.


A Lagoa do Paraíso. Estava com pouca água ou teria mais contrastes de azul.
Existem ligações de autocarro entre Jeri  e a Lagoa: 12 reais por pessoa.


A Lagoa do Paraíso fica no município de Jijoca, a cerca de 40 minutos de buggy da vila de Jericoacoara, e é uma das imagens mais representativas do Cerá. Aposto que muitos vão reconhecer a imagem abaixo que tantas vezes surge como capa de folhetos de agências de viagens.



As doses são enooooormes, davam para dois, mas ninguém me avisou.
Esta peixada tinha leite de coco e azeite de dendê e estava tãããão boa!
Peixe com camarão. Nem vos conto... Para acompanhar, cerveja gelada.

Depois de me alambazar ao almoço, estive aqui de molho, literalmente.


Para não variar, o dia acabou como sempre: no topo da duna para ver o pôr do sol e a agitação da praia onde, ao final do dia, há sempre "peladinhas", valei, acrobatas a treinar mortais e rodas bem animadas de capoeira. 

Passeio de Buggy de Jericoacoara até Tatajuba

O mar tem cores lindas e as praias são todas assim, monumentalmente grandes
e vazias. A água do mar é uma verdadeira sopa, sempre morna. Uma delícia!


Travessia de balsa do rio Guru
A entrada na área dos mangues secos.

Passei quatro noites em Jericoacoara, a duração perfeita para quem vista esta vila do Ceará uma vez que é ponto de partida para dois passeios diferentes de um dia inteiro. Os passeios são todos feitos de buggy porque, já deu para ver pelas fotos, não há estradas nas dunas nem nas praias. Isto faz com que nos sintamos ainda mais embrenhados com a Natureza. Junte-se-lhe um céu estupidamente azul pontilhado de nuvens brancas, um mar de águas cálidas que combina tons esmeralda e turquesa e os tons pastel da areia, e digo-vos que a combinação é magnífica! Esqueçam os filtros da máquina fotográfica, não vão precisar deles para nada.

Com a maré baixa, podemos trepar facilmente alguns dos mangues.
O cenário de raízes e ramos com formas estranhos é sinistro 
No local onde parámos havia redes de descanso e pessoas
a vender bebidas geladas. Os brasileiros sabem tudo quando
se trata de "bem bom" e é por isto que adoro visitar o Brasil.

Paguei 60 reais, cerca de 20 euros, por este passeio de dia inteiro, sem refeição incluída. Saímos do hotel de manhã por volta das 9h e o buggy já estava à nossa espera. Fomos apanhar duas brasileiras de S. Paulo que tenhamos conhecido na noite anterior e fizemos este e outros passeios sempre com a companhia delas. Depois de atravessarmos uma zona sinistra de mangue seco e dunas a perder de vista,  fomos conduzidos pela beira-mar passando por praias sem fim, todas vazias. Não me cansei de contemplar o mar que nunca tem uma só cor, alterando entre tons de verde e tons de quis consoante a hora do dia e a incidência da luz do sol. O nosso passeio incluiu ainda o famoso "skibunda" numa duna gigantesca, a travessia em balsa do rio Guru e uma refeição memorável de peixe fresco grelhado, com os pés na areia, de frente para o mar. 










Uma breve explicação sobre a descida e um empurrãozinho para ajudar.
A lagoa estava seca e, por tal, a experiência foi tudo menos refrescante...
Enquanto descíamos a encosta, um pouco mais ao lado, algumas pessoas
 já a subiam agarradas a uma corda que é a única ajuda existente.
Só desci uma vez...
Estava muito entusiasmada com a ideia de me estrear no "skibunda" mas infelizmente, devido à seca, havia pouca água na maior parte das lagoas e algumas estavam mesmo completamente secas. Noutras alturas do ano, a descida que vemos nas imagens acaba com um mergulho refrescante numa lagoa esmeralda que deve saber às mil maravilhas até porque, chegando lá abaixo, é preciso trepar a duna toda até lá acima sob um sol tórrido de quase 40 graus... Ah pois é. Seguramente, mais agradável se estivermos encharcados a pingar água. 

A barraca de praia onde fomos almoçar, isolada no meio do
nada e com uma praia imensa só para nós. Ah, vida boa!
A vista inspiradora da barraca de praia. Quando o peixe estiver pronto
avisem, ok? Vou só ali dar um mergulho e volto já!
Foi assim que o garçom nos apresentou o menu: pargo e corvina. Lindo, não é? 

O "peixinho" depois de cozinhado com temperos divinais.
Para acompanhar, apela da cerveja gelada e uma salada. Top!
A outra esplanada da barraca de praia.
A casa de banho onde NÃO fui...
De volta a Jeri, passámos algum tempo a apreciar os praticantes de kytesurf.
Na ponta do lado direito da praia, há algumas ondas boas
para a prática de surf. Mas o forte em Jeri é mesmo o
Windsurf e o Kytesurf.
Para terminar o dia em beleza, nada como ser fiel ao ritual local: ver o pôr do sol. Lindo e grátis!

O passeio foi magnífico, melhor só mesmo se a lagoa onde fizemos skibunda estivesse cheia de água. Mas tudo o resto foi perfeito, das paisagens à companhia das brasileiras que conhecemos, sem esquecer o peixe estupidamente fresco que comemos na praia acompanhados de banhos de mar. Sabem aqueles momentos da vida em que nos sentimos de alma cheia, a transbordar de alegria porque tudo parece perfeito? Este dia foi assim. Como dizem os brasileiros numa das minhas expressões preferidas dos nossos irmãos "Se melhorar, estraga!. E a nossa estadia em Jeri ainda só estava a começar.